Estudando/morando em Londres

Ok, esse post demorou mas chegou.

Desde a primeira vez que mencionei que faria uma graduação aqui em Londres passei a receber vários e-mails de pessoas de todos os cantos do Brasil, com várias dúvidas sobre esse processo que enfrentei para entrar em uma universidade aqui na Inglaterra. As dúvidas eram sempre as mesmas: com agência ou particular? Processo rápido ou demorado? Fácil ou difícil? IELTS ou TOEFL? Caro ou igual a todos? Acomodação estudantil ou alugar flat? Como aplicar? Qual a documentação necessária? Qual visto tirar? E por aí vai….

Com esse post pretendo esclarecer todas essas dúvidas de uma vez por todas, mas vale lembrar que o processo que eu precisei passar pode ser diferente do seu, caso a universidade que você pretende aplicar não seja a mesma que a minha, obviamente. Vou tentar responder de acordo com as perguntas mais frequentes e da forma mais simples possível, então vamos lá.

Com agência ou particular?

Gente, o MEU processo foi todo particular. Sim, resolvi tudo sozinha desde a aplicação pra universidade à toda a troca da documentação estudantil e financeira com ela, MAS na última etapa desse processo (que eu vou explicar com mais detalhes no final desse post) eu escolhi contratar o serviço de uma agência especializada em VISTOS. Todo aluno internacional que pretende estudar no Reino Unido precisa tirar o visto de estudante e infelizmente, essa pode ser a parte mais chatinha de todo o processo.

Enfim, dessa vez escolhi enfrentar esse processo sozinha, mas ano retrasado, quando vim fazer outros cursos em Londres, eu optei pelo serviço de uma agência e isso facilitou muito a minha vida na época. Portanto, mesmo tendo conseguido resolver tudo by myself dessa vez, eu indico pedir a ajuda de uma agência especializada nisso. Pra quem mora em Fortaleza, eu indico a agência Experimento, especializada em intercâmbio cultural. Foram eles que me ajudaram no meu primeiro intercâmbio pra Londres e até hoje tenho um carinho enorme por eles, salvaram a minha vida várias vezes.

Como aplicar para a universidade

Como já falei antes, o processo explicado aqui é o que eu precisei passar para entrar na UAL, ou seja: se você pretende entrar em outra universidade, o processo pode ser diferente.

1º passo: ter certeza de qual curso você quer fazer.

2º passo: curso escolhido, então é hora de aplicar, mas antes de fazer isso você precisa ter certeza de que você tem todos os documentos exigidos pela universidade. Se você não tem passaporte/cidadania européia como eu, você se enquadra nos pré-requisitos para estudante internacional, então a documentação que você precisa ter em mãos é:

  • International application form, ou seja, para aplicar para University of the Arts, mas precisamente para LCC é esse documento aqui, todo preenchido em inglês.
  • Seu personal statement, que é o documento que mais vai influenciar a universidade em te aceitar ou não caso você esteja escolhendo um curso mais concorrido, ou seja, esse documento tem que ser perfeito.

Mas o que é personal statement? O personal statement é a carta em que você escreve se apresentando para o comitê de admissão da universidade. Nessa carta você basicamente tem que provar pro comitê por-que-diabos você tem que ser admitido por ele. Ou seja, você tem que “se vender” fazendo uma grande autopromoção. A instituição está interessada em saber por que você merece ser admitido por eles, então por que você escolheu se inscrever nesta universidade? De que forma a instituição pode atender aos seus objetivos acadêmicos e profissionais? O que você tem a contribuir com o corpo estudantil? Quais são os planos para o seu futuro? Todas essas coisas. Esse personal statement tem que ser sincero e refletir quem você é. É comum também listar experiências prévias, atividades extracurriculares e trabalhos voluntários, por exemplo, que possam confirmar o seu interesse pela área de estudo a qual você está se candidatando. Por essa carta, o comitê irá avaliar a sua escrita em inglês, o conhecimento da gramática, o poder de argumentação e persuasão, a capacidade de autopromoção e principalmente, o interesse do candidato.

  • Documentos de histórico escolar (1 cópia original autenticada + tradução oficial da cópia original), ou seja, você vai pedir uma cópia autenticada do seu histórico escolar para a instituição que você estudou e depois vai levar essa cópia a um tradutor oficial, para que ele possa traduzir esse documento para o inglês. A melhor forma de encontrar um tradutor oficial na sua cidade é procurando online. Para quem quiser o contato do tradutor oficial de Fortaleza que eu usei, é só me pedir nos comentários ou por e-mail. É sempre bom pedir 2 ou mais cópias desses dois documentos.
  • Cópia autenticada do seu certificado de idioma inglês, ou seja, uma cópia autenticada do seu certificado IELTS, que é o documento que prova sua fluência no inglês. A nota mínima indicada para entrar numa universidade aqui geralmente varia mais entre 5,0 e 6,0. Para entrar na University of the Arts, a nota mínima exigida é 6,5. Caso você não tenha um, é bom agendar a prova na sua cidade o quanto antes, pois esse documento geralmente leva alguns meses para ficar pronto.

    IELTS ou TOEFL? Se você pretende vir estudar especificamente no Reino Unido, o mais indicado é ter IELTS. Pouquíssimas universidades aqui ainda aceitam TOEFL.

  • Duas cartas de recomendação, que podem ser de professores, pessoas do ramo que você quer estudar que lhe conheçam, profissionais com que você já tenha trabalhado… Por aí vai. Essas cartas terão que ser assinadas e também levadas a um tradutor oficial para que ele possa fazer a tradução para o inglês.
  • Cópia autenticada do seu passaporte. Atenção: a data de validade do passaporte tem que ser maior que a duração do seu curso. Ou seja, se seu passaporte está perto de expirar, é melhor renovar antes de começar todo esse processo de aplicação, pois a renovação pode sempre levar mais tempo que o esperado.
  • Portfólio, caso você tenha um. Não é obrigatório, mas se você já tiver um, eles indicam que você o envie junto com os documentos obrigatórios.

3º passo: Aplicar para o seu curso. Para a University of the Arts of London, você tem que enviar sua aplicação para o escritório de admissão internacional da faculdade (1 das 6 que ela oferece) que você escolheu. Você vai encontrar esse endereço no site da faculdade escolhida. Para cursos escolhidos na London College of Communication, a aplicação deve ser enviada para: internationaldocs@lcc.arts.ac.uk. Eles em seguida confirmarão se receberam sua aplicação e avisarão que irão avaliar.

4º passo: Esperar. Eles vão receber sua aplicação, avaliar e tomar uma decisão. Esse processo pode levar até 4 semanas.

Último passo: Após eles avaliarem sua aplicação, eles vão te ligar ou enviar um e-mail dando a grande notícia se você foi aceito ou não pela universidade. Se você for aceito, eles vão te enviar uma “offer”, que é como se fosse a oferta de uma vaga na universidade, que você vai aceitar se ainda quiser entrar nela. Depois que você aceitar essa oferta, eles vão te enviar o chamado CAS Number, que é como se fosse um número de série que você vai precisar usar para aplicar para o seu visto Tier4, que é o que te permite a estudar aqui na Inglaterra por mais de 1 ano. Após aplicar para o visto, você precisará fazer uma entrevista presencial no consulado britânico no brasil, que pode ser em São Paulo, Salvador ou no Rio. Você escolherá a data. Se você quiser que seu visto seja processado mais rápido, indico marcar a entrevista no consulado no Rio de Janeiro.

O que eu fiz: quando a universidade me enviou o CAS Number para eu aplicar para o visto Tier4, eu contratei uma agência especializada em vistos, pois o processo pode ser muito complicado e qualquer errinho pode ser fatal. Isso é, qualquer passo errado eles podem negar seu visto. Eles são muito rigorosos e por isso não arrisquei resolver essa parte toda sozinha. Eu indico fazer o mesmo. Para quem quiser saber qual agência eu contratei, é só pedir nos comentários. Enfim, depois que você aplicar para o visto, depois que você fizer a entrevista no consulado, depois que você souber se seu visto foi aceito, você entrará em contato com a universidade de novo para confirmar que você está “legalizada” para estudar fora.

Detalhe: durante o processo de aplicação para o visto, serão necessários alguns documentos, como: documentação financeira, que é uma carta do seu banco com dados de alguma conta bancária sua provando que você tem condições de se bancar no Reino Unido por 1 ano (preço da acomodação por 1 ano + valor da anuidade da universidade + mesada somada por 1 ano, tudo transformado de libras para real). Mais um detalhe: nessa conta bancária, esse valor tem que estar imóvel por 90 dias. Ou seja, você não pode ter tirado dinheiro dessa conta por 90 dias, só adicionado. Isso deve ser comprovado na carta fornecida pelo seu banco.

Depois de tudo isso resolvido, visto aprovado, matrícula feita com a universidade, é hora de comprar as passagens, resolver onde você vai morar e tcharam: partir para Londão!

Para mais detalhes sobre todo esse processo, é só pedir nos comentários.

Morar em acomodação estudantil ou alugar um flat?

Morar em acomodação estudantil tem duas vantagens: 1) mais barato. 2) você faz muitas amizades. Desvantagens: 1) morar com um milhão de pessoas as vezes não é legal. 2) bagunça. 3) espaço (geralmente os quartos são do tamanho de um banheiro e os banheiros são do tamanho de um guarda-roupa). 4) regras. Regras aqui são levadas a sério. Algumas acomodações podem ser muito restritas ao que você pode fazer nela (desde festas, ao pôster da sua banda favorita que você pretendia colocar na parede) e são geralmente (lê-se: quase sempre) bem chatinhas quando o assunto é “receber visitas”.

Alugar flat: dependendo da localização do flat, pode ser que saia mais caro ou mais barato. Isso é relativo e vai depender das suas preferências. Vantagem: você pode fazer o que você bem quiser nele: festas, sleepovers, receber família nas férias, pendurar pôsters na casa inteira, acender velas, ouvir música no volume máximo, usar o aspirador depois da meia noite… Qualquer coisa. Detalhe especial: em alguns flats você até criar algum bichinho de estimação (meu sonho que no meu eu também pudesse). Desvantagens: desconheço.

Eu indico: passar pela experiência de morar com outros estudantes numa acomodação estudantil (você pode aprender muitas coisas com isso) e depois procurar um flat para alugar. A maioria das pessoas aqui moram em acomodações no primeiro ano do curso mas depois alugam um flat com os melhores amigos para ficar durante os dois últimos anos de universidade. O que é mais uma vantagem: eles dividem as despesas e as vezes o mais caro acaba saindo mais barato.

Onde encontrar / Como escolher a acomodação

As acomodações estudantis são indicadas pela sua universidade. Se você prefere alugar um flat, você pode visitar imobiliárias aqui ou procurar online. Próxima semana faço um post (pq esse já tá muito longo) só explicando com mais detalhes como eu encontrei o meu, especialmente para as pessoas que vivem me perguntando isso.

Viver em Londres: caro ou barato?

Gente, isso é muito relativo. Isso depende de onde você vai querer estudar, quanto você pretende gastar por mês, onde você quer morar, qual zona… Todos esses fatores influenciam. Se for pra dar uma resposta mais direta: caro com certeza, considerando que a libra tá valendo ouro hoje em dia, né. E um detalhe: ser estudante internacional aqui tem suas desvantagens: enquanto estudantes de nacionalidade europeia podem pagar o valor anual da universidade parcelado em até 3 vezes durante o ano, nós meros mortais (brasileiros) temos que pagar o nosso anual (que ainda é mais caro que o de estudantes europeus) todo de uma vez só, tudo antes do início do curso e isso, meus caros, dói.

Idioma inglês

Muita gente me perguntou se é obrigatório ter o inglês fluente para ingressar em uma universidade em Londres, a resposta é sim. Se você quer fazer uma graduação em Londres, você precisa ter feito o teste de proficiência IELTS antes e ter passado nele com pelo menos 5,0, como eu mencionei lá em cima. Mas atenção, isso muda de acordo com o tipo de curso que você quer fazer. Se você pretende fazer só cursos curtos, eles não pedem comprovação de fluência em inglês.

Gente, até agora essas foram as perguntas que mais recebi. Tentei deixar tudo respondido aqui da forma mais simples possível. Espero que tenha ajudado e esclarecido algumas dúvidas de vocês. Se você tem mais alguma dúvida, é só enviar por e-mail (thaisct@hotmail.com) ou deixar aqui nos comentários que eu respondo. Próxima semana faço um post com mais calma sobre como eu encontrei meu apartamento aqui em Londres, pq se eu fosse explicar aqui também esse post ficaria mais gigante do que já está. 🙂

Londres, intercâmbios, dúvidas, fotos e ask.fm!

Mais de um mês que não posto aqui, mas hoje finalmente resolvi tirar um peso da consciência.
Não de não postar, claro, já que não vejo isso como uma obrigação, mas sim de responder e talvez esclarecer as dúvidas de muita gente que tem vindo falar comigo sobre viagens, morar fora, Londres, intercâmbios e essas coisas. E eu entendo todas elas, já que foram as mesmas dúvidas que eu tive quando decidi que queria passar um tempo morando e estudando fora do Brasil. A diferença é que na época que bati o martelo que era Londres o lugar que eu queria, eu não tinha ninguém pra perguntar como era essa experiência, mas foi aí que eu encontrei a agência com uma equipe perfeita pra me ajudar em tudo que eu precisava. Não esperei por ninguém, simplesmente fui atrás e consegui tudo que eu queria.

Depois de ter me mudado pra cá, notei que despertei a curiosidade e interesse de muita gente que tem a mesma vontade que eu tive de vir estudar fora, então rsolvi que de alguma forma queria dar um empurrãozinho em todas elas, pra ajudar a conseguirem o mesmo que eu consegui. Ofereci meu kik (thaiste) e respondi tudo que todos perguntavam sobre essa mudança. Incentivei uns, expliquei a outros e respondi muitos. Fiquei muito feliz quando vi as pessoas agradecendo e algumas até vindo semanas depois pra falar que fecharam um intercâmbio pra vir morar fora do Brasil também. Fiquei feliz e satisfeita por todos eles haha. O único problema foi que as perguntas não pararam, as dúvidas continuavam chegando pelo meu kik e eu notei que acabava respondendo a mesma pergunta umas 30 vezes. Ficou repetitivo e aos poucos (sem notar) eu fui demorando mais e mais pra responder lá. Acho isso de escrever no celular um saco, e acabava copiando e colando as respostas já (que feio né?) e acabei dando mais atenção também a quem vinha falar comigo no Facebook, já que pra mim é mais fácil responder no computador.
Até que, uma leitora me deu a idéia quase que genial de fazer um ask.fm só pra esse tipo de perguntas. Eu recebi a idéia com um pé atrás, já que sempre achei o ask.fm ridículo e que só mostrava o quanto as pessoas não tinham aprendido com o formspring. Quem lembra? virou um lixo e as pessoas se aproveitavam do anonimato oferecido pra falar besteiras pras outras. E outras se aproveitavam pra falar da vida pessoal que não dava pra mostrar em outras redes sociais.
Mas enfim, pensei sobre o assunto. Se é pra perguntarem só sobre viagens, intercâmbios, acomodação, Londres e etc, não vai ter problema pra responder e nem repetição nas dúvidas.
Então: http://ask.fm/thaisteuk

thaisteuk

thaisteuk

Perdoem o “uk” no final do username, também achei tosco, mas é que já tem alguém usando o meu “thaiste” de sempre e sempre 😦 mas até que o uk pode servir também pra lembrar a intenção das perguntas.

Enfim, é isso. Sintam-se livre pra tentar tirar algumas dúvidas. Espero conseguir ajudar (:
Bom final de domingo a todos!

Fotos: todas do meu instagram (@thaiste) e tiradas diretamente do celular. 😀

Young London


Depois de muito pedirem, resolvi falar sobre intercâmbio.
Não é nem que eu não queria falar disso, na verdade só não respondi antes todas as perguntas que fizeram porque eu sinceramente não entendia as dúvidas.
Tenho uma mania chata de achar que as pessoas vão agir igual a mim em certas situações e acho que foi isso que atrasou as mil respostas que respondem sobre agência, acomodação, why Londres and blablablá.
Eu, quando comecei com o interesse de estudar fora não esperei alguém vir me oferecer tudo de mãos beijadas. Eu fui atrás. Liguei pra uma agência, falei com o responsável pelos estudandes e ele sem eu pedir, me contou e mostrou todas as informações que eu precisava. Um leque de opções. Não vou mentir e dizer que fui tudo muito fácil. Não, é preciso um bom tempo pra decidir cada detalhe, algumas reuniões e uma big decisão pra tomar. Mas depois que você tem a certeza de pra onde você quer ir e o quanto você está disposta a pagar, o problema já tá resolvido em 50%.
Agora venhamos ao meu caso… Me perguntaram por qual agência eu vim e a resposta é: Experimento. Pra quem é de Fortaleza, ela é nova mesmo. Eu por exemplo, fui a primeira cliente (sério, fechei negócio e a loja nem tava aberta ainda, foi voto de confiança). E a agência recebeu mesmo meu selo de confiança e se pudesse, eu sairia indicando pra deus e o mundo. Pessoal lá cuida direitinho de mim haha.
Segunda pergunta mais lida: acomodação. Bom, eu tinha a opcão de ficar em residência estudantil, alugar um flat ou ficar em uma host-family. Eu escolhi a host-family e se tivesse que voltar atrás eu não mudaria minha escolha. Tive a sorte de cair numa família maravilhosa e numa casa linda . E a parte legal também é que eu não sou a única estudante de fora na casa, minha host-mother recebe até 3 estrangeiros, então a casa tá sempre cheia de gente e sotaques.

Sobre meu estudos: primeiro, tô fazendo curso de inglês na Kaplan Convent Garden. O meu primeiro mês é só curso normal, de conversação, pra colocar tudo que eu já sabia em prática e melhorar no que precisava. O segundo mês já é Business english, que acho que o nome já é auto-explicativo né? Já o terceiro mês, será de aulas preparativas para os testes TOEFL (Test Of English as a Foreign Language) e pro IELTS (International English Language Testing System) zzZZZzzzzZ.

Agora segundo, meu outros cursos. Bom, cursos da minha área (comunicação) eu vou fazer na University of the Arts of London (UAL). Vou fazer os cursos de layout e diagramação de revista, Product design, Creative writing e Set design for film and television.

Pra quem tiver interesse:  http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=ToWLFz_s_AI

Enfim, qnquanto estiver fazendo esses cursos (que só começam em janeiro), vou ter meio “expediente” livre ou seja, vou começar um estágio. Já conheci uma pessoa que já me deu todas as dicas e informações pra isso, então assim será.

Sobre Londres, acho que nem sobra muito o que falar né? Quem conhece essa cidade dos deuses, não me pergunta por quê eu a escolhi. Pra quem não conhece, aos poucos eu mostro o quanto isso aqui é coisa de outro mundo.

Sobre o tempo (sim, recebi perguntas sobre o tempo), só tenho uma coisa a dizer sobre esse assunto nessa época do ano: frio. E outra, é o assunto que dá o que falar entre os britânicos. Eles estão falando sobre as previsões o t-e-m-p o-t-o-d-o. No metrô, na rua, em casa, na aula, no trabalho. Todo canto, toda hora, o tempo é assunto de muita conversa! Estranho, também acho, mas acaba virando impossivel não participar. Pra essa semana que vem por exemplo, já vi 4 previsões diferentes e nenhuma (diga-se de passagem) me agradou muito. Máxima de 7 graus pra semana intera, com tempo cinza, chuva, talvez neve e muito, muito vento, que é o que mata.

Enfim, falei disso tudo mais por desencargo de consciência, já que pediram tanto. Espero que tenha ajudado. Ah, e aos interessados em intercâmbio: vão atrás. Vale cada centavo e a experiência é única.

Ps. sou meio suspeita pra falar, já que amo viajar e independência, mas acho que é isso aí, vale tentar.

Fotos: todas tiradas do instagram mesmo (@thaiste)

I: Camden Town Market, Big Ben, Greenwich park, Hackney, Bethnal Green station.

II: Quarto (fileira), Kaplan, Underground.